condições de trabalho · desigualdade · histórias de vida · injustiça social · mulheres · opressão

A condição da mulher no Afeganistão – História de Samira

 Introdução

Zarghuna Kargar, jornalista afegã refugiada em Londres, produziu e apresentou o programa “Afghan Woman’s Hour” da BBC. Este projeto bem-sucedido tinha como objetivo apoiar, consciencializar e educar milhões de mulheres e homens em todo o Afeganistão. Durante os anos em que o “Afghan Woman’s Hour” esteve no ar, debateram-se assuntos difíceis, muitas vezes tabu e foi emitido o relato de centenas de mulheres afegãs ansiosas por partilhar a sua história de vida. O livro Mulheres Afegãs – Histórias por detrás da Burka surgiu da compilação destes testemunhos verdadeiros com o objetivo de dar a conhecer uma realidade assustadora de opressão e tortura em que vivem muitas mulheres afegãs. Continue reading “A condição da mulher no Afeganistão – História de Samira”

Anúncios
histórias de vida · opressão · patriarcado · submissão

A condição da mulher no Afeganistão – História de Sharifa

No Afeganistão, as mulheres tomam-se normalmente mães mais ou menos um ano depois de se casarem. É perfeitamente comum as mulheres afegãs terem quatro ou cinco filhos; aliás, mesmo uma família dessas seria considerada pequena. Para a maioria das mulheres afegãs, a finalidade do casamento é simplesmente constituir família, que só é considerada completa quando a mulher dá à luz um filho. Uma mulher que tenha uma série de filhos é acarinhada pelo marido, elogiada pela sogra e respeitada pela comunidade. Desta forma, a mãe sente orgulho por ter feito o papel que, acredita, nasceu para fazer. Se, por outro lado, uma mulher é incapaz de procriar um rapaz, sente-se um fracasso e a sua vida transforma-se num inferno. Continue reading “A condição da mulher no Afeganistão – História de Sharifa”

abuso · alcoolismo · drogas · machismo · submissão · violência doméstica

Quando as joaninhas de plástico deixam de falar –

joaninha 1 m

Nas outras ruas também vivem famílias, em cada janela aparecem pessoas. Ouvem-se relatos de futebol e ouvem-se músicas, ouvem-se telenovelas, ouvem-se gritos como os da sua casa, ouvem-se móveis a ranger, ouvem-se pessoas a andar, ouvem-se pessoas a dançar, ouvem­-se pessoas a chorar, ouvem-se pessoas a pensar, ouvem-se pessoas a ser famílias, ouvem-se coisas a cair. Continue reading “Quando as joaninhas de plástico deixam de falar –”

abuso · machismo · opressão · submissão · violência doméstica

Os homens não batem

zhao-dalu12 violência m

Xavier apaga a luz e ouve a respiração de Alex, a seu lado, já adormecido. Ele, todavia, não consegue deixar de pensar em tudo o que sucedeu. Ouve a voz do pai, como se ainda estivesse presente, a repetir uma e outra vez: “Os homens não batem, Xavier, os homens não batem”. Olha para o amigo que, embora a sonhar, parece chorar e, sem querer, vai recordando… Continue reading “Os homens não batem”

adolescência · histórias de vida · namoro

A minha estrela de Rock – Um namoro na adolescência

Xuan loc Xuan 6 rapaz noite m

Chad: o melhor guitarrista acústico que alguma vez irei conhecer, e o rapaz por quem me apaixonei perdidamente. Eu: a rapariga tímida a quem ele chamava Pirilampo. Quem iria imaginar que iríamos apaixonar-nos daquela maneira? Quem iria imaginar que tudo se saldaria por um falhanço total? Continue reading “A minha estrela de Rock – Um namoro na adolescência”

abuso · opressão · sexismo · violência doméstica

Violência no namoro – Um lobo com pele de cordeiro

cinthya angelez m

Duas semanas após o início do primeiro ano da faculdade, chegou um novo aluno para a nossa turma de biologia. Chamava-se Kyle. Após algumas semanas de aulas, Kyle pediu-me namoro. E eu, radiante, aceitei. Passaram-se alguns meses e tornámo-nos inseparáveis.

Aprendi muito sobre ele e sobre o tipo de pessoa que era. Continue reading “Violência no namoro – Um lobo com pele de cordeiro”

família · histórias de vida · mulheres

Uma colcha com história

colcha mulher m

Quando a minha bisavó Anna veio para a América, trazia o mesmo espesso casacão e as botas altas que usava no trabalho rural. Mas a família deixou de trabalhar a terra. Em Nova Iorque, o pai passou a carregar coisas para uma camioneta, e o resto da família fazia flores artificiais o dia todo. Continue reading “Uma colcha com história”